Avanços da ciência que prometem colocar fim à Impotência

Parece mentira, mas lá se vão 20 e poucos anos desde o surgimento do Viagra no mercado.

Nem é preciso dizer o que isso significou para milhares de homens, só se falava da tal pílula azul, vista como a solução revolucionária para a sexualidade masculina.

Pois bem, os anos se passaram e a medicina se viu diante de muitos obstáculos, tais como, os efeitos colaterais da pequena e milagrosa pílula.

Então, certamente, correram atrás de substitutas, voltadas para aquelas pessoas cuja a pílula azul não era recomendada. Assim,  uma nova onda de tratamentos surgiu, prometendo reforçar o arsenal contra a impotência sexual, principalmente, se o problema tiver causas orgânicas.

Vamos conferir o que há de mais novo no mercado? Confira:

Células-tronco

Estão sendo feitas pesquisas em universidades nos Estados Unidos, portanto, ainda em fase de testes, com as células-tronco, que poderiam ser injetadas no pênis, auxiliando em sua recuperação.

A aplicação seria muito simples, já que o pênis é um órgão externo.  Infelizmente, esses testes demoram muito a se tornarem disponíveis, podendo levar, até mesmo, de 10 a 50 anos.

O foco principal seriam os diabéticos, pacientes com lesões neurológicas e após cirurgia radical para câncer de próstata ou na região pélvica, para tratar a impotência sexual, geralmente, causada por essas patologias.

Leia também: Como curar a ejaculação precoce

Azulzinho turbinado

Está chegando ao mercado, se espera para breve, uma nova geração do Viagra, Cialis, medicamentos inibidores da PDE5, que devem ter ação mais rápida e direta no corpo cavernoso peniano, dessa forma, provocando menos efeitos colaterais, como dor de cabeça ou rubor facial.

Ondas sonoras

Já por aqui, em aparelhos de diferentes tipo,  são usadas ondas de baixa intensidade, que visam aumentar a vascularização do pênis.

Na verdade, funciona através de uma fonte de energia ultrassônica, usada para quebrar cálculo renal, só que com uma intensidade adequada para o pênis.

Assim, por cerca de seis semanas, o paciente recebe aplicações semanais, de 15 a 20 minutos.
Vale saber que esse tratamento é indicado para aqueles pacientes que não respondem bem à medicação oral, como diabéticos, fumantes, hipertensos, com colesterol alto ou usuários de drogas.

Spray sublingual

Voltado exclusivamente para retardar a ejaculação, já se sabendo que a ejaculação rápida é confundida muitas vezes com falta de volume do pênis, ou seja, o homem pensa que tem distúrbio de ereção, mas, na verdade, tem somente ejaculação precoce.

O spray sublingual, cuja absorção é bem mais eficaz,  é feito com medicamentos manipulados, à base de princípios ativos como os do viagra e do cialis e funciona, principalmente, para retardar a ejaculação.

Assim, algumas horas antes de ter relação, basta o homem dar duas ou três borrifadas debaixo da língua, e pronto, já perceberá melhoras na ereção.

Mas atenção, esse medicamento, como foi dito, visa apenas retardar a ejaculação, para dificuldade de conseguir ereção, infelizmente, não há remédios eficazes no formato sublingual.

Implante hormonal

Técnica indicada para homens que sofrem com hipogonadismo, e daem (distúrbio androgênico do envelhecimento masculino), ou seja, possuem problemas na produção de hormônios, com baixo índice de testosterona.

Embora tenha aprovação da Anvisa, o implante hormonal só é feito em clínicas, ou seja, não é produzido por laboratórios.

Na verdade, isso é porque  a reposição de testosterona sem indicação médica é muito arriscado, podendo tanto aumentar o risco de câncer de próstata e fígado, trombose e AVC, como, também, reduzir a produção natural do hormônio.